24 de junho de 2015

Chegou nos EUA o Blaxi: o Uber dos bêbados


Uma pequena startup americana resolveu concorrer com os táxis e o Uber por um público específico: os motoristas bebuns espalhados pelo mundo afora.

Criado por empreendedores de San Diego, nos Estados Unidos, o Blaxi propõe um serviço diferenciado para quem estiver em bares e festas e tomar mais doses do que o bom senso recomenda antes de pegar o carro. 

O serviço inclui dois motoristas, um para levar o incauto para casa e outro para dirigir o veículo do cliente até a garagem. A ideia é começar o serviço pelas californianas San Diego, San Francisco e Los Angeles. 

Como esse pessoal de startups não é bobo nem nada, eles abriram uma conta no Indiegogo para arrecadar 50.000 dólares para empreitada, para a qual estão trabalhando há dois anos. Usam o velho discurso marqueteiro para passar a sacolinha: 'É um serviço que pode fazer diferença no mundo'. 

No mínimo, é uma proposta curiosa.  Os investimentos partem de 25 dólares e vão até 5.000 dólares. O valor máximo garante o uso do serviço por toda a vida -- o que pode ser um bom negócio para quem costuma para quem nunca aprende a beber.

22 de junho de 2015

Cerveja e futebol: sim, a dupla pode ser elegante




Até agora nenhum time grande de futebol resolveu entrar de verdade no universo das cervejas artesanais, com uma receita de malte, cevada e lúpulo própria e uma estratégia para convencer seus torcedores a experimentar um sabor que representasse o clube. 

O artista gráfico uruguaio Pablo Canepá resolveu ao menos propor alternativas de rótulos de como vender cerveja com muita elegância -- bem distante do jeito descuidado que a Brahma fez ao colocar distintivos de clubes brasileiros em suas latinhas anos atrás.  

De seu estúdio em Montevidéu, Canepá criou dezessete embalagens para times de nove países para a série Fútbol Beers.. No Brasil, foram lembrados Flamengo, Fluminense e Vasco da Gama. Os meus preferidos são o do Vasco, do Peñarol; do Uruguai, e do Real Madrid. A relação completa está disponível na página do artista.







17 de junho de 2015

A aventura de Juarez: a volta ao mundo em 80 bares


O jornalista carioca Juarez Becoza começa nesta quarta-feira uma aventura de fazer inveja a qualquer um que goste de boteco. Ele parte para uma viagem de pelo menos seis meses para conhecer bares em 120 cidades e mais de quarenta países. 

A viagem vai dar origem ao livro "A Volta ao Mundo em 80 Bares", com histórias de oito dezenas de estabelecimentos de quatro continentes, se considerarmos as Américas um único bloco. "Sou o Phileas Flogg pós apocalíptico, meio velho, meio bêbado, meio careca, meio barrigudo", descreveu, em referência ao aventureiro imaginado por Julio Verne no clássico da literatura que inspira a empreitada.

Juarez é titular há 15 anos da coluna Pé-sujo, de "O Globo", onde  conta 'causos' e dá dicas de lugares para comer e beber sem maneirismo nem frescura. Lugares em que qualquer um vai de chinelo de dedo e ninguém dá bola.

Como tem medo de avião (ficou traumatizado ao acompanhar os desdobramentos, como repórter, do acidente do Fokker 100 da TAM, em 1996), ele optou por fazer o trajeto apenas de ônibus, trem e navio. Vai começar pelo Uruguai, subir a América do Sul margeando o Pacífico e cruzar o oceano em uma viagem de 30 dias de Seattle a Singapura ('a capital da comida de rua', como descreveu). 

Antes da Europa, onde pretende embarcar de volta o Rio (ou a nado, se for preciso, brinca), ele promete passar por China, Mongólia, Rússia e Norte da África. 

O jornalista vai registrar a viagem em um blog na página de "O Globo", em postagens no Facebook e em reportagens para o caderno Boa Viagem, do jornal carioca.

Para financiar parte da aventura etílico-gastronômica, Becoza abriu um crowdfunding com o objetivo de arrecadar 10 mil dólares. É possível contribuir de 10 dólares (para ganhar uma foto de um dos bares visitados) até 1.500 dólares, que são recompensados com uma crônica exclusiva para quem fizer a doação. A mais legal, na minha opinião, é a opção de 50 doletas que dá direito ao livro, previsto para ser publicado no segundo semestre de 2016. O endereço para ajudar é https://www.trevolta.com/trips/around-the-world-in-80-bars-29830

Boa viagem, Juarez! Que os Deuses dos botecos, das caipirinhas, das cervejas, das frituras e dos salaminhos estejam ao seu lado. 

16 de junho de 2015

Londres: drinques no trailer de Breaking Bad



Uma startup inglesa está promovendo um bar que é um sucesso de marketing antes mesmo de abrir:  o ABQ London

Trata-se de pop up bar de coquetelaria para o verão londrino que vai funcionar dentro de um trailer. A intenção é reproduzir lá dentro o laboratório de metanfetamina de Walter White de 'Breaking Bad' -- ABQ é a abreviação de Albuquerque, cenário da série de TV.

A proposta é fazer os clientes 'cozinharem' seus próprios drinques dentro do veículo, que estará equipado com máscaras de gás, tubos de ensaio e outros equipamentos para lembrar o seriado. Barman vão dar dicas aos frequentadores.

Cada viagem dura duas horas e tem capacidade para até 22 pessoas. O ingresso de 30 libras dá direito a dois drinques -- quem quiser beber mais terá a chance de comprar na hora o terceiro, o quarto...

Inicialmente, o bar ia funcionar por apenas três meses, com o primeiro tour saindo dia 24 de julho. A enorme procura (mais de 28.000 pessoas se inscreveram em um mês) fez com que a temporada fosse estendida por mais um mês. Só há vagas disponíveis para setembro. Os interessados podem adquirir as entradas no site abqlondon.com

15 de junho de 2015

Jazz e boemia no novo museu de NY



O Whitney Museum of American Art, em Nova York, programou para outubro em sua novíssima sede uma exposição que mostra um pouco da cultura de boteco dos Estados Unidos.

A mostra Jazz Age Modernist reúne 42 obras do pintor americano Archibald Motley, um dos expoentes do movimento conhecido por Harlem Renaissance, uma referência à cultura negra americana que ganhou visibilidade a partir do bairro ao norte da ilha de Manhattan.

Os  42 quadros mostram como a população negra se divertia nas horas livres: muita música (especialmente jazz e blues), dança e festas nas ruas e em salões. As telas, sempre muito coloridas, expõem sorrisos, gingados, porres, balanços e sons.

Organizado pelo Nasher Museum, da Duke University, a exposição vai ocupar as galerias do oitavo andar do espetacular prédio erguido próximo da entrada do parque High Line, nas vizinhanças do West Village. Funcionará de 15 de outubro a 17 janeiro de 2016.

Outra opção é ver a mostra no Chicago Cultural Center, na terra natal de Motley, que abriga as telas até 31 de agosto.

Confira o vídeo (em inglês) feito para apresentar a exposição:

19 de dezembro de 2014

Pipoca gourmet: faltou a de salaminho com limão...


Eu ainda prefiro um salaminho com limão, mas a cervejaria escocesa (e marqueteira) Brew Dog acredita que pipoca pode ser um bom acompanhamento para uma cervejinha.

Os caras pediram para a loja de pipoca gourmet londrina Joe & Seph’s preparar sabores especiais para ornar com suas principais receitas, para ser oferecidas inicialmente apenas nas lojas da Grã-Bretanha.

Os pipoqueiros de luxo prepararam para fazer par com a Punk IPA, por exemplo, uma variedade de lima com cominho negro. Uma pipoca com pimenta e chilli é a sugestão para harmonizar com a Five AM Red Ale.

A salgadinha de queijo cheddar com páprica é a recomendação para a loirinha This is Lager. Também são indicadas a pipoca de caramelo e café (para a potente Brixton Porter) e a de pimenta preta com queijo de cabra (como combinação da Dead Pony Pale Ale).

Para quem se interessar, a ‘pipoqueria’ oferece a série de sabores ‘Coquetéis Clássicos’, com as opções margarita, gim tônica, cosmopolitan e mojito.

17 de dezembro de 2014

Obama, Raúl Castro, rum Bacardi e cartazes...


Talvez a marca cubana mais boêmia pré-revolução seja a Bacardi. Fundada em 1862, em Santiago de Cuba, a empresa que fabrica o rum mais vendido do mundo teve suas propriedades confiscadas por Fidel Castro e seus ‘companheiros’.

O reatamento dos laços diplomáticos entre Estados Unidos e Cuba traz à memória um tempo em que a ilha era mais conhecida por ser um balneário turístico, válvula de escape para os órfãos da lei seca americana – por que você acha que Ernest Hemingway ia tanto para lá?

Mesmo no exílio, seus proprietários mantiveram o controle do negócio e estabeleceram destilarias nos Estados Unidos, México, Bahamas, Espanha e Porto Rico.

Claro que o mundo mudou e a chance da Bacardi voltar a instalar uma destilaria na ilha é próxima de zero, pelo menos por enquanto. 


A empresa divulgou um comunicado instantes depois do anúncio de Obama e Raúl Castro: "Bacardi tem orgulho de suas raízes cubanas. Nós temos um enorme respeito e simpatia por todos os cubanos, com quem temos uma herança em comum"

Abaixo seguem cartazes das seis primeiras décadas do século XX, quando os descendentes de Don Facundo Bacardí Massó aproveitavam do astral festeiro de Cuba para vender seu rum e sua cerveja, a Hatuey.

Confira:







16 de dezembro de 2014

Vodca com água dos Andes: para pouquíssimos


A russa Stolichnaya lançou neste mês uma vodca produzida com água dos Andes, especificamente de um regato formado com ajuda do degelo da cordilheira andina, na região de La Araucanía, no Chile.

É a terceira bebida da série que se propõe a fazer vodca com as águas mais límpidas do mundo, para garantir o sabor mais puro possível. As outras duas tiveram como fontes o Himalaia e as montanhas neozelandesas.

A bebida, que tem a chancela de luxo da ‘Stoli’, a Elit, é turbinada com uma seleção de grãos especiais na fazenda da empresa em Tambov, na Rússia, e distribuída em uma garrafa de cristal feita à mão desenhada para refletir a luz (para garantir a transparência da bebida), guardada em uma caixa em couro e madeira de cerejeira negra, cultivada em área de manejo.

Todo cuidado tem seu preço. São apenas de 250 a 300 garrafas comercializadas pela bagatela de 3.000 euros. Ou seja, só para fanáticos e colecionadores.

13 de dezembro de 2014

Conheça o sapato-uísque que o 007 aprovaria


Tem um ar de 007 o presente que o povo do uísque Johnnie Walker preparou para os amantes da marca neste Natal.

Em parceria com a sapataria de luxo londrino Oliver Sweeney, a empresa lançou um sapato estilo Oxford com um adicional surpreendente: um compartimento secreto no salto do calçado na medida para levar uma mini-garrafa de Red Label onde quer que você vá.

De fabricação italiana, o sapato é lindo, de couro, com detalhes em vermelho e traz as iniciais das marcas costuradas no calcanhar.

O par custa 279 libras e pode ser comprado no site da Oliver Sweeney, que promete entregar no mundo inteiro. O vídeo abaixo mostra o cuidadoso trabalho dos artesãos que fabricam o calçado.


12 de dezembro de 2014

Vodca vem com fichas para cassino de Las Vegas


Uma vodca americana investiu em uma estratégia inusitada para turbinar as vendas. Cada garrafa da Jackspot Vodka vem com um crédito de pelo menos 25 dólares para ser gastos em um cassino de Las Vegas, o Palms Casino Resort – como o preço sugerido de venda também é de 25 dólares, a bebida acaba como extra por um punhado de fichas.

Por enquanto, a marca tem autorização para ser vendida apenas nos estados de Nevada e Arizona. O plano é expandir a distribuição para a Califórnia em janeiro de 2015.

O slogan da canjebrina peca pela obviedade: “Nosso destilado vai fazer de você sempre um vencedor”

A bebida é fabricada pela destilaria Golden Gate, em São Francisco especialmente para a Jackpot Spirits.